sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Ladrão canadense versus ladrão brasileiro



Ladrão canadense?!?!?! Ué! Eu pensei que não existisse isso aí! Claro que existe! Gente é gente no mundo todo, com suas qualidades e defeitos. O que muda é a proporção e...bem, vocês vão ver outra diferença.
Ladrão canadense: A Lara deixou a porta de trás do carro destravada. O nosso carrinho não tem travas elétricas, logo, às vezes acontece de alguém esquecer e nem sempre eu confiro. Um belo dia, a Mônica encontrou o porta-luvas aberto e seu conteúdo revirado no banco. Ela pensou que tivesse sido eu e nem comentou. Mas na verdade, foi um voleur/ladrão que, percebendo que a porta estava destravada, foi pegar o GPS no porta luvas. Isso acontece muito aqui no Canadá. Só que o suporte que ele viu preso no parabrisa era do nosso GPS, mas este é na verdade meu celular que, obviamente, não fica no carro.
Frustrado por não ter encontrado um GPS, ele furtou o que tinha de mais caro para levar: Um cartão de proximidade que abre a cancela do estacionamento. Wwwoooowwww!!!! Estou falido!! O coitado é tão ingênuo que nem vai poder usar o cartão em canto nenhum! O concièrge/responsável pelo condomínio cancelou o cartão e disse que nem em outros sistemas o cartão vai funcionar porque estes trabalham com uma faixa de numeração definida. Teria o som do carro para levar, mas ele fica embutido no painel e não deve ser fácil de ser reusado pois acredito que só encaixe em outro Kia Rio.
Lucro do ladrão: 0$. Prejuízo nosso: 25$ do cartão. Pra falar a verdade, achei caro porque o da escola nos custa somente 10$. Vale ressaltar que isso é apenas um depósito de garantia. Quando devolvermos o cartão, o condomínio e a escola nos devolve o dinheiro.
Ladrão brasileiro: Ligaram para o antigo trabalho da Mônica no Brasil para confirmar o uso indevido do nosso cartão de crédito brasileiro. Fazemos raramente compras de até 50$, em dólares canadenses, somente na amazon.ca ou no skype.com. Na Amazon, nem mesmo preciso fornecer os dados do cartão. Basta eu selecioná-lo. Derrepente, apareceram 3 pagamentos de contas brasileiras nos valores de R$1.600,00; R$1.300,00  e R$1.700,00 no mesmo dia. Bom, é fácil perceber que foi uma fraude, mas isso nos rendeu horas de ligação para o banco, cartas escritas à mão, várias tentativas sem sucesso de transmiti-las via fax, emails para lá e para cá, etc. Finalmente, os débitos do cartão foram cancelados, mas este também. A conta corrente ficou bloqueada. Blá, blá, blá outra vez e desbloqueamos a conta, mas somente para consultas. O novo cartão e a nova senha vão ser enviados para o endereço do nosso ex-apartamento no Brasil, que felizmente agora é do meu irmão. Enquanto isso, nada de conta corrente nem de cartão de crédito brasileiros.
Lucro do ladrão: R$4.600,00. Prejuízo nosso: Teoricamente nenhum, mas na realidade, o banco tem uma conta para bancar (banco para bancar foi sem querer) essas fraudes e somos nós clientes que pagamos esse custo que não é baixo, já que esses problemas são bem mais frequentes que imaginamos.
A diferença não fica somente na quantidade de ladrões por mil habitantes dos dois países, que deve ser bem grande. O ladrão canadense típico é o descuidista, amador, que faz somente furto e que tem medo de ser pego. Assaltos até que existem, mas são bem mais raros e mais nas grandes metrópoles. Vemos muitas mansões de meio a um milhão de dólares com uma ou até duas garagens repletas de bugingangas e dois carrões do lado de fora, praticamente na rua mesmo. Vale lembrar que aqui as casas e condomínios não têm muros, são totalmente abertos. Podemos até cortar caminho indo por dentro dos quarteirões, já que muitas vezes nem existem delimitações dos terrenos. São raros os casos de uma cerquinha baixa de madeira que serve para evitar que as crianças saiam.
O "bom" ladrão brasileiro é malandro, astucioso, profissinal, ousado, não tem medo, nada a perder e às  vezes sabe que se for preso vai ser solto. Eu já ouvi um gritar do meio da rua: -Pode chamar a polícia! Não adianta nada. No outro dia eu vou estar aqui outra vez e te pego! Já fui preso outras vezes.
No Brasil, entre tentativas bem e mal sucedidas, já fui assaltado (não estou falando de furtos) 5 vezes, inclusive com pedaços de pau, facas e um revólver apontado para meu rosto. Nesta última vez do revólver, já estava tão acostumado que acalmei o assaltante e negociei com ele para ficar com a carteira e os documentos.
Continuo prostituído da vida com a chatice que o ladrão brasileiro causou, principalmente porque nem estamos mais no Brasil. Mas prefiro os ladrões de galinha canadenses!

5 comentários:

  1. Meu amigo Alexei, viva os ladrões de galinha com lucro zero daqui. Hehehe.

    E a vida segue...

    ResponderExcluir
  2. Alexei, estou adorando o seu blog... A família de vocês é linda! Sou paraibana (32), mas moro em São Paulo há quase 10 anos e gostaria muito de imigrar para o Canadá com meu marido (30). Eu sou advogada, porém coordenadora e professora universitária na quase totalidade do tempo, e ele é analista de sistemas. Agora estamos em Montréal investigando tudo, aliás, esse post do ladrão brasileiro x canadense muito me chamou a atenção, e olha que nunca fui assaltada a mão armada. A tranquilidade de viver no Canadá é o que mais me incentiva a vir, mas não sabemos o que nos espera, pois advogada brasileira quase com doutorado é mesmo que nada no Canadá, enquanto o René ainda não fala francês, e parece que Tecnologia da Informação até sumiu da última lista das profissões desejadas daqui. Mas vou sonhando em um dia ter uma família como a sua aqui no Canadá! Abraços, Ana Cristina.

    ResponderExcluir
  3. Em tempo: nós conhecemos a turma que está na foto do post "O que é o natal"! Nós os conhecemos no révéillon em Québec, conhecemos a Alessandra e toda a turma! Que coincidência... E, na primeira vez que viemos a Québec em fevereiro, já havíamos conhecido a Thaís (Pedro), vizinha da Alê. Essa foi demais! (rs)

    ResponderExcluir
  4. Olá a todos os que vão ler este comentário neste blogue ou noutro muito bom como este. Pois é, estou encantado com todos estes posts bem feitos, quase que desenhados. Pois, eu gostava de fazer igual, mas não consigo. O meu dilema agora é cozinhar… A vida é dura e obrigou-me a morar sozinho, e a cozinha não é de todo o meu local favorito. Mas estou a tentar conhecê-la, mas as aventuras têm sido imensas. Fiz um blog humilde para colocá-las em forma de crónica pouco extensas. Gostava muito que todos vocês o visitassem e se possível o seguissem. É que tentar cozinhar e depois não ser ajudado, é algo muita mau.
    Cumprimentos a todos!

    http://tenhosalfaltamecolher.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Uma "super" dica que me deram foi tirar o suporte do GPS do vidro pra não atrair ladrão. Então agora quando estaciono tiro do vidro e guardo para não atrair ladrões de GPS ;-)

    ResponderExcluir